Literatura e Homossexualidade

Professor da Universidade lança livro que discute a relação entre literatura e homossexualidade

Publicado em: 13/07/2017 às 17:26:40

 

 

Seja no campo da produção literária, seja no da crítica literária, ou em qualquer outra esfera de atuação pública, acredito que sair do armário é sempre um posicionamento político.” O professor do Departamento de Letras Vernáculas da UFSM Anselmo Peres Alós investiga, desde seu doutorado, a interface entre literatura e homossexualidade masculina na América Latina. Em 2017, organizou o livro Poéticas da Masculinidade em Ruínas: a Literatura e o Amor em Tempos de AIDS, publicado em plataforma digital. O livro, apoiado financeiramente pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), é o resultado de um projeto de pesquisa desenvolvido na UFSM, com a colaboração de vários pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento e de diferentes estados brasileiros.

 

Nos anos 1980 e 1990, a AIDS foi chamada de “Peste Gay” pela mídia, ao relacionar a doença diretamente à comunidade homossexual. Anselmo explica que esse tumulto causado pela mídia impactou a produção da literatura, já que “novos espectros de preconceito, de afetividade e de solidariedade desenvolveram-se em função da pandemia” pontua o professor. A discussão proposta pelo livro é analisar, entre outros aspectos, como o advento da AIDS se faz perceber na literatura e nas artes.  

 

Literatura Homossexual

Estereótipo é a generalização que se faz sobre alguém ou alguma coisa- um exemplo é associar homens gays a “atitudes afeminadas”. O professor Anselmo relembra que “os estereótipos misóginos nas artes foram o produto do trabalho de homens; os estereótipos racistas foram o produto do trabalho de homens brancos, e os estereótipos homofóbicos, no campo das artes, foram fruto do trabalho de escritores heterossexuais”. Assim, a literatura produzida por autores LGBT, segundo Anselmo, “permite que gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros deixem de ser apenas objeto da representação e passem a ser sujeitos da produção de representações”. 

 

Dessa forma, a produção literária por autores LGBT torna-se necessária para que seja possível a identificação das pessoas com os personagens LGBT apresentados nos romances, sem estereótipos, com suas características singulares. Se é verdade que um escritor não precisa necessariamente ser homossexual para escrever uma história de amor entre dois homens ou duas mulheres, também é verdade que um escritor heterossexual dificilmente saberá traduzir em palavras as angústias vividas cotidianamente por sujeitos não heterossexuais em termos de opressão, de marginalização, de segregação social”, ressalta.

 

Além de Poéticas da Masculinidade em Ruínas: a Literatura e o Amor em Tempos de AIDS, Anselmo também publicou o resultado de sua pesquisa de doutorado em livro pela Editora Mulheres no ano de 2013, com o título A letra, o corpo e o desejo: masculinidades subversivas no romance latino-americano, que pode ser encontrado aqui.

a
Repórter: Paola Dias
Ilustração: Giana Bonilla