Novo método de dimensionamento asfáltico

Através de parceria articulada pela Petrobras, grupo de pesquisa da UFSM contribui para criação de método nacional

Publicado em 07/02/2019 às 13:45

ARCO > ARCO DIGITAL > CIÊNCIA

Quem pega o ônibus da linha Universidade – Faixa Velha em direção à UFSM não sabe, mas cruza todos os dias por um dos quatro trechos de pavimentos asfálticos que são monitorados pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Pavimentação e Segurança Viária (GEPPASV) da UFSM. Esse monitoramento, que acontece periodicamente, consiste na coleta dados para o desenvolvimento de pesquisas que levaram a um novo método nacional de dimensionamento de pavimentos. A nova metodologia, que foi desenvolvida por meio de uma parceria entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia) e a Rede Temática de Asfaltos (da qual a UFSM faz parte), atualizou os procedimentos adotados no Brasil desde metade do século passado.

 

 

O novo método nacional de dimensionamento de pavimentos

 

O primeiro método de dimensionamento do pavimento asfáltico brasileiro, e que vinha sendo utilizado, foi idealizado pelo engenheiro Murillo Lopes de Souza e implementado na década de 1960. Para o professor do departamento de Transporte e um dos pesquisadores e coordenadores do GEPPASV Luciano Specht, o método na época foi revolucionário, contudo, ficou obsoleto. Tanto o volume de caminhões que circulam pelas rodovias quanto a capacidade em massa transportada aumentaram. “Se uma caixa d’água projetada em 1965 funcionaria nos dias atuais, pois a carga suportada por ela não mudou, o mesmo não acontece com as rodovias” argumenta Specht.

 

Com essa defasagem, em meados dos anos 2000, a Petrobras passou a articular parcerias com universidades federais para que, através de pesquisas científicas, fosse possível efetuar a atualização do modelo de dimensionamento asfáltico. “A preocupação da Petrobras na época era de que se o pavimento não fosse bem dimensionado, ele iria estragar mais cedo.” ressalta Specht. Assim, o desenvolvimento de uma nova metodologia traria economia nos custos com os asfaltos no país.

 

Amostra de asfalto em aparelho que testa a resistência da mistura asfáltica. A amostra é prensada para verificar deformação ou fissura.

Da aproximação com as universidades, a Rede de Tecnologia em Asfalto foi criada. “Para se fazer um método de dimensionamento de pavimentos, é preciso de uma série de pressupostos, de ensaios de materiais, de dimensionamento, de cálculos matemáticos e precisa também de uma calibração de campo.” diz Specht. Na época, a primeira medida tomada foi a compra de máquinas e instrumentos para que assim, as pesquisas pudessem ter início. A UFSM passou a integrar a rede a partir desses primeiros estágios.

 

Após o investimento em infraestrutura, as universidades passaram a implantar os trechos de pavimentos asfálticos para calibração. “Cada trecho possui em torno de 300 metros, os quais monitoramos semestralmente para coleta de dados” fala Specht. Em Santa Maria, além do trecho da avenida Roraima, há dois trechos na faixa velha e outro na avenida Hélvio Basso. O monitoramento periódico desses trechos é importante para a coleta de dados sobre como os pavimentos vão se degradando ao longo do tempo. Essas informações são armazenadas e alimentam um software que, a partir de determinados parâmetros, faz as modelagens estatísticas, das quais é possível tomar decisões de manutenção do asfalto.

 

O novo método, chamado de Medina, em homenagem ao engenheiro Jacques de Medina, um dos pioneiros na pesquisa da mecânica dos pavimentos no Brasil, leva em consideração os afundamentos em trilhas de roda- parâmetro já utilizado no método anterior. A novidade é que agora também são levadas em conta as trincas (pequenas aberturas) formadas pela fadiga da camada asfáltica.

 

O desenvolvimento científico gerado

 

Para chegar a uma atualização da metodologia, foram anos de pesquisa. “Tudo isso faz parte de um monitoramento. De seis em seis meses, nós fizemos um check-up completo do pavimento, como se fosse um exame de saúde. A gente pega esses dados, organiza e manda para a Petrobras. Eles sistematizam as informações, para calibrar o novo método”, comenta Specht.

 

E as pesquisas não devem parar. Os alunos de mestrado e doutorado ligados ao GEPPASV continuam trabalhando na coleta dos dados dos trechos monitorados em Santa Maria, como também desenvolvem investigações que visam a atualização no médio e longo prazo do Medina, e de como o país irá gerir os pavimentos asfálticos.

 

A engenheira civil e mestranda Debora Tanise Bordin atua no monitoramento dos trechos em Santa Maria para a montagem de um banco de dados, com diferentes parâmetros, como a quantidade de trincas (pequenas aberturas no asfalto) e tráfego. Essas informações são analisadas em ensaios comparativos para que se possa estabelecer modelagens estatísticas que indicam os níveis de degradação do asfalto.

Da esquerda para a direita: Débora, Lucas e Bethania, pesquisadores do GEPPASV

Já o doutorando Lucas Dotto Bueno, também engenheiro civil, investiga modelos de previsão de irregularidade do pavimento. “A irregularidade é um indicador de conforto do usuário. quando você está em um carro andando na rodovia e sente muita trepidação, significa que aquela rodovia está muito irregular”, explica Lucas. Esse indicador deve passar a integrar os contratos de concessão para o cuidado dos pavimentos.

 

A engenheira civil e mestranda Bethania Machado Correa investiga o que vem a ser o futuro na gestão dos pavimentos – a reciclagem do asfalto. De maneira mais específica, seus estudos enfocam o comportamento mecânico de misturas asfálticas feitas a partir de asfalto reciclado, ou seja, como diferentes misturas se comportam sob a ações mecânicas, como por exemplo, o impacto do trânsito no asfalto.

 

Reportagem: Luan Moraes Romero

Edição: Luciane Treulieb

Fotografia: Rafael Happke