Documento sem título
 
 
Nome: Celulose Irani S.A.

Site: http://www.irani.com.br/

Telefone: 55 (49) 3527-5100

 O Brasil importava muito papel e pasta de celulose, e em virtude da Guerra, o produto estava com dificuldade de chegar aos portos brasileiros. Surge assim, um novo ramo industrial, o de papel e celulose. Diante deste contexto, no Rio Grande do Sul, a Companhia Vinícola Rio Grandense de Caxias do Sul (RS) viu o mercado de vinhos finos diminuir. Como detinha boa reserva de capital, decidiu investir em outro mercado: o de papel e celulose. O local escolhido foi a Fazenda São João do Irani, no município de Cruzeiro do Sul, em Santa Catarina. Agora faltava implantar a fábrica. Tarefa mais difícil que a primeira, pois na região não havia estradas. O último marco de civilização era Vargem Bonita a 25 km de distância. A construção do primeiro prédio da Celulose Irani iniciou em 1942, ano em que a olaria já estava em funcionamento. Além dos tijolos, a olaria fornecia telhas e a serraria, as madeiras para a construção da fábrica. No início de 1960, a área Florestal da IRANI começou a ser estabelecida, com sementes de Pínus provenientes da Georgia (EUA). As mudas foram produzidas, no Viveiro da Empresa desde essa época. Inicialmente o preparo do solo era manual e, a partir de 1972, passou a ser mecanizado. Conforme a IRANI crescia, Campina da Alegria crescia junto. O governo do Estado de Santa Catarina construiu um colégio num terreno doado pela Empresa. Uma nova igreja foi concluída ainda na gestão de Alfredo. O velho armazém de madeira foi substituído por um moderno prédio de alvenaria em frente à praça e por uma quadra de futebol de salão. Pouco antes de a família Fedrizzi sair de Campina da Alegria, já havia terminado a construção de um pequeno, mas moderno hospital, ao lado da igreja, cujo nome era Hospital Flor de Maria. O hospital possuía uma ampla estrutura para atender os moradores da região. Foi um grande investimento e que trouxe grandes benefícios para a comunidade. Hoje no local há um Posto de Saúde. O Grupo Habitasul de Participações S.A. assume o controle acionário da Celulose Irani S.A., dando início a um grande ciclo de crescimento, empreendedorismo e reformulação. A IRANI incorpora aos seus negócios, a Unidade Fabril Móveis, em Rio Negrinho (SC). A Unidade fabrica móveis destinados exclusivamente aos mercados europeus e norte-americanos. Os móveis são fabricados sob encomenda para exportação. A Divisão Móveis tem capacidade instalada para produzir até 800 metros cúbicos mensais. Utiliza como matéria-prima básica madeira de reflorestamento, manejada de acordo com os padrões e as exigências internacionais de preservação ambiental. O perfil da produção é composto por linhas de dormitórios, salas e móveis auxiliares de madeira maciça, atendendo a exigentes mercados mundiais. No dia 4 de setembro, a IRANI tornou-se a segunda empresa no setor de Papel e Celulose no mundo e a primeira no Brasil a ter créditos de carbono emitidos pelo Protocolo de Kyoto, com o projeto de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) aprovado pela ONU, da Usina de Co-geração de energia. No dia 1º de julho, a Empresa inaugura a Planta de Evaporação de Licor Negro, que aproveita energia térmica com recuperação de resíduos sem a necessidade de utilização de combustível. Em abril de 2006, a IRANI publica o seu segundo Balanço Social. O documento divulgou as ações internas relacionadas à dinâmica de trabalho e externas referentes às condutas na comunidade e no meio ambiente. Também em 2006, é criada a marca e a loja digital Meu Móvel de Madeira, na cidade de Rio Negrinho, Santa Catarina. IRANI se torna referência em sustentabilidade O Relatório de Sustentabilidade da IRANI de 2009 foi considerado o 3º melhor relatório do Brasil na pesquisa Rumo à Credibilidade, realizada pela Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável - FBDS e SustainAbility (www.fbds.org.br). A IRANI recebe o Selo de Empresa Inovadora da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei). A Celulose Irani é a primeira e única empresa brasileira a participar voluntariamente do Carbon Disclosure Project (CDP), na edição 2010, um marco histórico para a organização inglesa independente e sem fins lucrativos, que detém o maior banco de dados em impacto climático corporativo do mundo. A Celulose Irani anunciou no dia 31 de janeiro de 2013, a celebração do Contrato de Arrendamento de Ativos e Outras Avenças e o Contrato de Reestruturação Operacional e Implantação de Novo Modelo de Gestão com a Indústria de Papel e Papelão São Roberto S.A., empresa com sede em São Paulo e unidades industriais instaladas em São Paulo (SP) e Santa Luzia (MG).