Reforço na luta contra o câncer

Diário de Santa Maria, 08/05/2014, Geral, Pág. 9.

O Hospital Alcides Brum, anexo do Hospital de Caridade, começará a atender pacientes que precisem de tratamento contra o câncer. Na tarde de hoje, em Porto Alegre, o governador Tarso Genro (PT), a secretária estadual de Saúde, Sandra Fagundes, e o provedor do Hospital de Caridade, Walter Jobim Neto, devem assinar o contrato.

Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, será feito o repasse de uma parcela única no valor de R$ 389 mil, para iniciar a produção, além de R$ 20,5 milhões por ano. Este valor corresponde ao custeio de 9.810 mil procedimentos por mês, que representam toda parte ambulatorial – consultas, exames, cirurgias, sessões de radioterapia e quimioterapia. A instituição ainda terá capacidade para 295 internações mensais para pacientes em tratamento.

Além do convênio com o hospital de Santa Maria, na tarde de hoje, instituições de outras cidades também devem assinar convênios com o governo estadual.

– O Caridade terá uma cota mensal de serviços. Estamos intensificando o atendimento de oncologia do Estado – explicou Rosângela Dorneles, chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Saúde.

O provedor do Hospital de Caridade, Walter Jobim Neto, lembra que, desde outubro do ano passado, espera pela tramitação do contrato. Na tarde de ontem, a instituição foi comunicada e analisou a documentação.

– A gente já tinha espaço, já tinha uma equipe disposta a trabalhar, e Santa Maria tem gente que espera pelo tratamento, o que faltava era esta assinatura. Assim que for oficializado, podemos começar o atendimento. Vai depender de a 4ª Coordenadoria começar a encaminhar os pacientes para nós – diz Jobim.

Atualmente, este tipo de serviço era feito, gratuitamente, apenas pelo Hospital Universitário de Santa Maria (Husm), que é referência em alta complexidade na região. Em fevereiro deste ano, por determinação do Ministério da Saúde, o Husm terceirizou alguns atendimentos para pacientes que precisavam de radioterapia. Eles compravam o serviço do Caridade, repassando o valor por paciente. Conforme a direção-geral do Husm, em fevereiro, 24 pacientes foram encaminhados para radioterapia no Hospital de Caridade.

Credenciamento no SUS é a solução?

O Hospital Universitário de Santa Maria (Husm) afirmou que não existe uma fila de espera específica para pacientes com câncer. Conforme a instituição, os agendamentos para cirurgias são feitos conforme a especialidade. Ou seja, um paciente com um determinado tipo de câncer entra em uma fila de espera para cirurgias daquela especialidade, que não abrange apenas quem faz tratamento contra o câncer.

Conforme Rosa Wolf, do Conselho Municipal de Saúde, é preciso chamar atenção para uma série de questões que poderiam agilizar o andamento das cirurgias. Ela ressalta que, mesmo que o Husm seja referência em alta complexidade, acaba atendendo muitos pacientes de baixa e média complexidade, o que faz o hospital lotar e pode prejudicar o tempo de atendimento para muitos casos, inclusive os de câncer. Há casos que não exigem alta complexidade mas são de urgência, e acabam “furando” a fila de espera.

– A saída principal para o problema não é apenas credenciar outro hospital para fazer o tratamento. Se fosse tirar do Husm a baixa e a média complexidades, ele teria capacidade para atender a demanda da alta complexidade. Há casos, por exemplo, que chega um paciente com um problema de apêndice ou de vesícula, que devem ser operados e passam na frente dos pacientes da oncologia. Mas são casos que poderiam ser atendidos em outras unidades – explica Rosa.

O Diário fez contato com a Secretaria Municipal de Saúde e com a 4ª Coordenadoria Regional de Saúde, que afirmaram não terem um controle da totalidade dos casos de espera por cirurgias oncológicas.

Deixe uma resposta