O Sisu se consolida

Diário de Santa Maria, 24/06/2014, Opinião, Pág. 04.

 

Em 2014, mais de 3 milhões de candidatos, de todos os recantos do Brasil, de todas as classes sociais e cores, disputaram as 222.813 vagas ofertadas pelas instituições públicas de educação superior nas duas edições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Trata-se não apenas do maior processo seletivo para acesso à educação superior já realizado no país, mas, também, do mais democrático e inclusivo.

Em 2014, 54 das 60 universidades federais em funcionamento participaram do Sisu, e as demais já manifestaram ao MEC interesse em participar. Estamos, pois, diante de uma a adesão praticamente universal das universidades federais ao Sisu e com a participação de todos os 38 Institutos Federais, o que aumenta significativamente a oferta do número de vagas e o número e a variedade de cursos que estarão disponíveis aos candidatos.

A forte adesão a esse modelo nacional de seleção unificada se deve a três fatores básicos: (1) a gratuidade do processo para todos os estudantes oriundos da escola pública (o que significa dizer gratuidade para 87% dos estudantes do Ensino Médio); (2) a oportunidade de mobilidade para todos, independentemente da cor ou da renda familiar dos candidatos, permitindo que estudantes, pobres ou ricos, pretos ou brancos, possam buscar a realização plena de suas vocações profissionais para muito além da universidade a sua volta; e (3) a consolidação de parâmetros nacionais de qualidade, pela integração sistêmica das instituições públicas participantes do Exame Nacional do Ensino Médio, afirmando as IES públicas como universidades de qualidade nacionalmente referenciada.

Os aumentos expressivos na participação de instituições tradicionais em todas as regiões do país, disponibilizando 100% de suas vagas à disputa via Sisu, indicam que estamos diante de um processo já amplamente aceito como fundamental para uma política de acesso à educação superior pública e gratuita que seja, a um só tempo, justa e promotora da qualidade. Ano após ano, o Sisu ganha espaço, e o antigo vestibular – pequeno, estadualizado, elitista, pago e com mobilidade restrita aos ricos – aos poucos, vai se tornando coisa do passado, cedendo lugar a um processo seletivo amplo, nacional, democrático, gratuito e com oportunidade de mobilidade para todos.

Secretário de Educação Superior

do Ministério da Educação

PAULO SPELLER

Comentários estão fechados.