Conheça o novo nome da saúde

Diário de Santa Maria, 17/01/2015, Política, Pág. 08.

 

Lenir da Rosa, 60 anos, vai assumir 4ª Coordenadoria

Lenir da Rosa, 60 anos, deve assumir nos próximos dias um dos principais desafios de sua carreira. Recentemente, ela foi escolhida para comandar a 4ª Coordenadoria Regional de Saúde, com sede em Santa Maria, que abrange 22 municípios e que atende uma população estimada em 550 mil habitantes.

A farmacêutica, que também é graduada em Química, ambos cursos feitos na UFSM, tem experiência de pelo menos seis anos em gestão pública. Professora aposentada, que por anos lecionou na Escola Maria Rocha, atuamente, comanda duas unidades de saúde da prefeitura: o Centro de Diagnóstico Nossa Senhora do Rosário e o José Erasmo Crossetti, no Centro.

Vice-presidente do PMDB Mulher, ala peemedebista que congrega as integrantes da sigla do sexo feminino, Lenir é discreta ao falar sobre o novo desafio. Solteira, sem filhos e nascida em Santa Maria, afirma conhecer as agruras e contratempos do serviço público de saúde. Seu primeiro desafio na área foi a gestão do posto de saúde da Vila Lorenzi, onde permaneceu por cinco anos. Apontada por colegas como profissional, proativa, perfeccionista e de pulso firme, a farmacêutica prefere não palpitar sobre o futuro.

– Eu creio que vai ser um desafio muito grande. Não posso dizer nada, pois é muito diferente da minha realidade atual – disse.

Quando questionada sobre sua opinião entre a diferença em ser gestora de saúde no município e no Estado, Lenir desconversa e disse apenas que no município as coisas vão bem.

Além da formação em química e em farmácia, a futura coordenadora tem pós-graduação em Educação, pela Unifra, e pós em Informática na Educação, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Os desafios

No comando da coordenadoria, Lenir vai se deparar com dois grandes desafios. O primeiro deles é o atraso dos repasses para a saúde. O Estado deve ao menos R$ 208 milhões aos municípios, além de R$ 255 milhões para hospitais. A dívida, inclusive, tem provocado reclamações de prefeitos que estão tendo de colocar dinheiro de outras áreas para cobrir o gasto com salários de profissionais e medicamentos.

Além do bolso vazio, Lenir também será peça importante na implementação do hospital regional. A instituição, que deve ser finalizada ainda nesse primeiro semestre, é uma das apostas do Estado e da União para a melhora da prestação de serviço de saúde na região.

Apesar de estar sob o controle do governo federal, após decreto do ex-governador Tarso Genro que cedeu o hospital para a UFSM, a Coordenadoria de Saúde vai ajudar a intermediar os processos de internação e de convênios que devem ter a participação do governo gaúcho.

leandro.belles@diariosm.com.br

LEANDRO BELLES

Comentários estão fechados.