A serviço da comunidade

Diário de Santa Maria, 30/05/2015, Geral, Pág. 13.

Equipamentos pensados para facilitar o dia-a-dia e garantir mais conforto a pessoas com deficiência. Esse é o objetivo de dois projetos coordenados por Sergio Antonio Brondani, professor do Desenho Industrial da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Na instituição, o docente desenvolveu, com 15 alunos, um projeto de extensão por meio do qual são confeccionadas estruturas para adaptar as casas de pessoas com deficiência. Além dessa atividade, Brondani orienta um trabalho de conclusão de curso, em que um acadêmico desenvolve um caiaque para competidores com e sem necessidades.

Na atividade de extensão, o professor, 10 estudantes da Terapia Ocupacional e cinco do Desenho Industrial, desenvolveram equipamentos como corrimões, portas adaptadas para cadeirantes, mesas e cadeiras que vão facilitar a locomoção e as atividades diárias de pessoas limitações físicas. Seis famílias da Vila Jóquei Clube e duas da Vila Cauduro, receberão equipamentos.

– As comunidades foram selecionadas depois que nós entramos em contato com as Unidades de Saúde e recebemos indicações de pacientes que mais precisavam. Nosso objetivo é oferecer uma melhor qualidade de vida para essas pessoas que, além de todos os problemas, não tem condições de adaptar as residências – relata o professor.

Grupos com dois terapeutas e um designer visitaram as casas, conheceram as realidades das famílias e desenvolveram a estrutura que mais facilitaria a vida dos pacientes. Os terapeutas adequaram o projeto às condições físicas dos futuros usuários, enquanto os designers ficaram responsáveis pela parte técnica.

– É gratificante contribuir para melhorar a rotina das famílias, além de colocar em prática o que a gente vê em aula – diz o estudante de Desenho Industrial Maike dos Santos, 22 anos.

Segundo Brondani, cerca de R$ 47 mil foram disponibilizados para a realização do projeto, que foi financiado pelo Ministério da Educação (MEC). Desse valor, foram pagas quatro bolsas de pesquisa para os acadêmicos, além dos serviços prestados por serralheiro, marceneiro e empresários que ajudaram na produção e confecção dos equipamentos. As estrututas devem ser entregues em até 30 dias.

Comentários estão fechados.