Aumenta a evasão da UFSM em cachoeira

Rádio GVC, 24/06/15, Geral, Online.

Fuga neste semestre foi 22% maior que no fim do ano passado

 Aumenta a evasão da UFSM em Cachoeira

44 acadêmicos dos cinco cursos da UFSM/Cachoeira cancelaram suas matrículas no primeiro semestre de 2015, gerando assim 44 vagas a serem preenchidas neste segundo semestre que se inicia em agosto. A evasão no início deste ano foi 22% maior do que no final do ano passado, quando a universidade registrou 36 desistências (22 do curso de Engenharia Agrícola e 14 de Engenharia Elétrica). Essas vagas foram preenchidas no início do ano.

Segundo informações da instituição, os principais motivos da evasão, assim como ocorre em outras instituições, foram aprovações em outras universidades, mudança de cursos e algumas desistências por parte de alunos que ainda estão escolhendo a carreira a seguir.

Das 44 vagas para o segundo semestre deste ano, 15 são para Engenharia Agrícola, 15 para Engenharia Elétrica, 7 para Engenharia de Transporte e Logística, cinco para Arquitetura e Urbanismo e duas para Engenharia Mecânica. Sempre que sobram vagas, a UFSM abre edital de ingresso e reingresso, destinado a alunos e ex-alunos da UFSM e de qualquer outra universidade para o preenchimento das vagas remanescentes.

PELOS CORREIOS - As inscrições se encerraram dia 19, mas a universidade ainda aguarda inscrições que chegarão pelos Correios nesta semana. Entre os critérios de seleção estarão o currículo dos candidatos e o fato deles já terem cursado disciplinas dos cursos que pretendem ingressar.

Diretor José Mário Soares define amanhã lançamento da pedra fundamental

“Se não fosse a previsão de chuva para amanhã (hoje), nesta terça mesmo a gente começaria a trabalhar na limpeza do terreno”. A declaração é do engenheiro Fábio Cantarelli, do escritório da construtora De Martini em Santa Maria, confirmando que amanhã, se não estiver chovendo, funcionários da empresa devem iniciar a limpeza do terreno do futuro campus da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) no Passo d’Areia, em Cachoeira do Sul. Segundo Fábio, o início das atividades significa a largada para a contagem dos 700 dias de prazo que a De Martini tem para construir os quatro blocos de salas de aula, a um custo de aproximadamente R$ 7,5 milhões.

Depois da limpeza da área, de acordo com o engenheiro, será realizado o levantamento topográfico e a demarcação dos espaços nos quais ficarão os quatro blocos. Só depois é que começam as obras, propriamente ditas, com a concretagem das fundações e estaqueamentos. “Estamos só pelas condições do tempo e pela liberação da ordem de serviço definitiva, da UFSM, que ainda não recebemos”, reforçou o engenheiro Fábio Cantarelli, acrescentando que espera pelo documento nesta quarta mesmo, simultaneamente ao início das atividades da De Martini no Passo d’Areia.

PEDRA FUNDAMENTAL - Também ontem o diretor da UFSM na cidade, professor José Mário Soares, disse que nesta quarta vão ser definidos detalhes relativos ao lançamento da pedra fundamental, cerimônia que vai assinalar o início das obras de modo oficial e que deve reunir o reitor da universidade, Paulo Afonso Burmann, e o prefeito de Cachoeira, Neiron Viegas. “Vamos definir o local, a pedra, mandar confeccionar a placa e, daí, combinar a data certa com o reitor e o prefeito”, disse o diretor José Mário. Ainda segundo ele, os projetos dos quatro blocos foram aprofundados, nas últimas semanas, com a definição de localização e detalhamento técnico da sala dos professores e pesquisadores, além das áreas destinadas aos laboratórios de pesquisa.

Comentários estão fechados.