Enem aborda temas humanitários e sociais

Jornal do Comércio, 26/10/2015.

Depois de uma semana marcada pela aprovação do Projeto de Lei nº 5.096/13, que modifica a Lei de Atendimento às Vítimas de Atendimento Sexual, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, o tema da Redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fez com que os estudantes refletissem sobre a violência contra a mulher no Brasil. Os candidatos tiveram de elaborar um texto dissertativo-argumentativo a partir do tema “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”, que foi amplamente comemorado por grupos feministas.
Além da redação, a prova de Ciências Humanas, aplicada no sábado, trouxe uma citação da filósofa e escritora francesa Simone de Beauvoir acerca da igualdade de gênero. Outras questões trouxeram citações do filósofo brasileiro Paulo Freire e do esloveno Slavoj Zizek. A complexidade da prova chamou a atenção de candidatos gaúchos. No prédio 11 da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), estudantes deixaram as salas às 15h30min, quando se esgotou o tempo mínimo de permanência. “Fiquei fazendo hora, porque havia terminado a prova muito antes”, confessa Guilherme Noble, 20 anos, que prestou o exame para concluir o Ensino Médio. Ele e o amigo Leonardo Ruperti, 21, trocaram impressões. As questões de matemática foram resolvidas “na base do chute mesmo”, admitiram. E mesmo as de linguagens apresentaram alguma dificuldade, na avaliação da dupla. “Tinha palavras que eu sinceramente nem conhecia”, lamenta Leonardo. Em compensação, uma pergunta que envolvia a cultura do rap e do breakdance satisfez os amigos, que também elogiaram o tema da redação.
A redação foi uma das principais preocupações dos estudantes antes da abertura dos portões, uma vez que a fuga do tema ou da estrutura do texto podem anular a prova escrita. Estudantes que escreverem sete linhas ou menos ou que defendam ideias que desrespeitem os direitos humanos também ganham nota zero. Além disso, a inclusão de texto trechos desconexos pode desclassificar o aluno. Em 2012, cerca de 300 provas foram desconsideradas por causa disso.
A abstenção foi de 25,5%, índice menor do que o registrado em 2014. Mais de 7,7 milhões de pessoas se inscreveram para o exame, mas cerca de 800 mil fizeram o Enem apenas para certificação de Ensino Médio. O Ministério da Educação (MEC) eliminou 677 estudantes por violarem regras do edital. Em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, uma das fiscais, Tatiana Macedo de Carvalho, de 22 anos, teve uma crise convulsiva e faleceu durante a aplicação da prova.
A nota da avaliação é usada total ou parcialmente por 128 instituições públicas nos seus processos de seleção e é um dos critérios para a obtenção de financiamento em faculdades privadas pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). No Rio Grande do Sul, a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), a Universidade Federal do Rio Grande (Furg) e a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Ufcspa) adotaram o Enem como única forma de ingresso.
Nesta semana, o MEC apresentará um modelo do Enem virtual. No começo do ano, o ex-ministro da Educação, Cid Gomes, cogitou aplicar a prova digital já em 2015. A hipótese, porém, foi descartada. Se for virtual, o exame não precisaria ser realizado em um fim de semana. Em salas credenciadas pelo MEC, cada candidato poderia fazer uma prova diferente: seriam dadas perguntas mais difíceis até que ele errasse e ficasse definido o patamar de conhecimento. O MEC também admitiu que é necessário aumentar o banco de questões.

Comentários estão fechados.