Freio às pretensões da reitoria

Diário de Santa Maria, 23/11/2015, Política, Pág. 6.

A UFSM está de olho, também, na redução de 10% no custeio da manutenção da instituição. O percentual parece pequeno, mas impacta diretamente nas contas a pagar, como terceirizados, água, luz e telefone. Com relação aos investimentos, a tesoura foi ainda mais severa: houve corte de 50% na verba para compra de equipamentos (para laboratórios e de salas de aula) e pavimentação de ruas dentro do campus.

– Os investimentos podem sofrer redução e, até mesmo, parar temporariamente. Mas o custeio é um conta que precisa fechar. Precisamos manter tudo em funcionamento – diz o pró-reitor Eduardo Rizzatti.

Mas, mesmo com o cenário desfavorável, a Federal já trabalha com novas licitações. Entre elas, está a abertura da segunda fase do processo que prevê uma pista multi uso, que dará sequência à ciclovia da Avenida Roraima. A ideia é que o local ainda conte com espaço de convivência e, para 2016, pretende-se disponibilizar bicicletas na pista.

Em fase de projeto, há outras duas propostas: uma que prevê novas paradas de ônibus no campus e a recuperação das salas de aula em Santa Maria e nos demais campi. Mas, para que sejam possíveis, todas essas melhorias necessariamente passam pelo cumprimento do que diz o slogan do governo Dilma.

Comentários estão fechados.