UFSM sedia residência em dança-teatro com bailarino da Cia Pina Bausch

Tags , ,

Diário de Santa Maria, 08/12/2015, Online

Certamente, você sabe o que é teatro. E dificilmente desconhece o que é dança. Mas é muito possível que você nunca tenha ouvido falar em uma arte que une as duas. Trata-se da dança-teatro, um conceito artístico surgido na Alemanha, no fim dos anos 1920, e que ganhou destaque mundialmente a partir da década de 1970, graças a coreógrafa alemã Pina Bausch (1940-2009) – até hoje, seu principal expoente.

Essa arte entrelaça movimentos abstratos e cotidianos (além de palavras e sons) na intenção de construir uma narrativa. O corpo “contando essa história” é que dá à dança-teatro esse aspecto teatral, que o diferencia.

Agora que você, leitor, está devidamente apresentado a essa modalidade, chegou a hora de contar que Santa Maria está sediando um importante evento na área: uma residência em dança-teatro com três semanas de duração.

Desde a semana passada, 16 bailarinos – de Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e México, escolhidos por seleção, estão praticamente confinados no Centro de Eventos da UFSM. Lá, eles recebem treinamento do conceituado bailarino norte-americano Eddie Martinez, integrante do Tanztheater Wuppertal Pina Bausch há 20 anos. A residência faz parte da programação do Seminário Internacional Processos de Criação em Dança-Teatro, iniciado no último dia 27. O evento tem apoio de Eny Calçados e Construtora Jobim.

Trabalho fará parte de Mostra

– A residência em dança é um evento inédito no país, ainda mais com um artista de renome internacional. E a metodologia de trabalho dele é muito interessante, porque os alunos precisam criar constantemente, e responder às perguntas que Eddie faz tanto pelo corpo quanto pela palavra. São oito horas diárias de trabalho, numa dinâmica bastante intensa – valoriza o coordenador-geral do evento, Marcelo de Andrade.

A despeito da desinibição que caracteriza a dança, na residência, o clima é sério. O silêncio só é quebrado pelo ruído dos corpos e das vocalizações dos artistas. Sob o olhar do mestre norte-americano, os alunos bailam, esticam-se, jogam-se ao chão. O esforço é perceptível em rostos e músculos.

O resultado desse aprendizado poderá ser conferido em uma mostra artística, no dia 20, às 18h, no Teatro Caixa Preta. A entrada é gratuita. As senhas poderão ser retiradas no local, uma hora antes do início do evento.

Comentários estão fechados.