Corte no MEC gera incertezas na UFSM

Diário de Santa Maria, 01/04/16, Colunas, Pág.2 

O anúncio de um corte de mais R$ 4,5 bilhões no Orçamento do Ministério da Educação, confirmado na quarta, deixa dirigentes da UFSM ainda mais apreensivos, pois só nas próximas semanas é que o governo deve divulgar que áreas terão menos recursos. Com o outro corte anterior, a redução das verbas para custeio, que inclui gastos como de energia, telefone, segurança e limpeza deve ficar em 25% na educação este ano.

Além disso, os repasses de verbas para a UFSM seguem com atraso e têm vindo um pouco abaixo do previsto. O resultado é que a universidade estava devendo, até ontem, R$ 14 milhões a fornecedores de serviços e construtoras que fazem obras no campus. Esses atrasos vêm sendo constantes, todos os meses, desde novembro de 2014. A previsão é que hoje chegue verba para pagar parte desses atrasados.

Essas incertezas afetam o planejamento da universidade.

– Está havendo o repasse de verbas aos departamentos. Mas como não sei quanto vamos ter para repassar para os centros (de ensino) este ano, eles não podem dizer aos departamentos quanto dinheiro haverá. Então, eles não podem prever melhorias, entre outras coisas – afirma o pró-reitor de Planejamento da UFSM, Frank Casado.

Comentários estão fechados.