HISTÓRIA. Comissão da Verdade Paulo Lauda, da UFSM, quer documento da Abin sobre a Universidade

Blog Claudemir Pereira, 25/04/16, Geral, Online.

Por PAOLA BRUM, da Agência de Notícias da UFSM, com foto de Reprodução/Feicebuqui 

A Comissão “Paulo Devanier Lauda” de Memória e Verdade da Universidade Federal de Santa Maria realizou a primeira audiência na última sexta-feira (15). Instituída em junho de 2015, a comissão tem o objetivo de investigar possíveis casos de violação dos direitos humanos na UFSM no período de 1961 a 1988.

Segundo o atual coordenador geral, professor Diorge Konrad, a audiência foi com o professor aposentado Eduardo Rolim, readmitido nos quadros da UFSM durante a gestão do ex-reitor Gilberto Aquino Benetti (1985-1989). Rolim prestou declarações sobre casos de violações dos direitos humanos ocorridos a partir do Golpe de 1964.

A fim de aprofundar a investigação, a comissão solicitará documentos produzidos na UFSM à Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Estes documentos foram enviados, durante o período ditatorial, para a sede do extinto Serviço Nacional de Informações (SNI), por meio da Assessoria Especial de Segurança e Informação (AESI), órgão que monitorava a instituição.

Durante o ano passado, o trabalho da Comissão da Verdade se restringiu à organização interna. A investigação iniciou com levantamento da documentação da UFSM, junto ao Departamento de Arquivo Geral (DAG), na busca do paradeiro dos documentos produzidos nesse recorte histórico.

A primeira audiência seria realizada em 2015 com Lys Lauda, filha de Paulo Devanier Lauda, professor do curso de Medicina ‘expurgado’ da UFSM na época do golpe militar.

No entanto, a audiência foi transferida para este semestre. “Ao longo desse trabalho inicial da comissão, algumas pessoas entraram em contato para se colocar à disposição no sentido de fornecer informações ou mesmo documentos relativos ao período”, conta Konrad.

Comentários estão fechados.