UFSM. Estação experimental usa flores e pedras brita para o tratamento de esgoto no campus de Camobi

Blog Claudemir Pereira, 25/04/16, Geral, Online.

Por LUCAS CASALI (texto e foto), da Coordenadoria de Comunicação Social da UFSM

Menos da metade da população brasileira tem acesso à coleta de esgoto e, entre os estados, o Rio Grande do Sul tem um dos menores índices de tratamento, de apenas 15,5%. Embora essa seja uma responsabilidade do poder público, a população em geral poderia desempenhar um papel muito maior do que imagina no sentido de amenizar o problema. Uma das iniciativas nesse sentido poderia ser a instalação, em condomínios urbanos e outros aglomerados habitacionais, de estações descentralizadas como os wetlands construídos, nas quais o esgoto doméstico é tratado por meio de processos naturais. Um sistema desse tipo funciona desde setembro do ano passado junto a um dos prédios da Casa do Estudante Universitário, no campus sede da UFSM.

Essa estação experimental consiste em um tanque de 18 metros cúbicos, cujo espaço é preenchido com três camadas de pedras britas, sobre as quais foram plantadas 200 mudas de helicônia papagaio (Heliconia psittacorum). Ao reter parte dos dejetos sólidos, as plantas e pedras funcionam como elemento filtrante do esgoto, que é despejado no tanque por meio de uma canalização instalada em cima dele. As amostras do efluente tratado são recolhidas semanalmente para análise por membros da equipe de alunos de graduação, mestrado e doutorado coordenada pela professora Delmira Beatriz Wolff, do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSM.

Por se tratar de um experimento voltado à pesquisa, o wetland construído na UFSM tem a capacidade de tratar uma amostra equivalente ao esgoto produzido por apenas 10 moradores da Casa do Estudante. Também devido ao seu caráter experimental, essa estação não trata o esgoto de forma contínua. Ela está programada, por meio de um sistema de pulsos elétricos, a bombear oito vezes por dia o esgoto acumulado em um tanque séptico, o qual tem a função de remover dejetos sólidos em suspensão. Na estação, a média diária de esgoto tratado é de aproximadamente 1.500 litros. O efluente resultante tem como destino final um curso d’água, a Sanga Lagoão do Ouro, que corta o campus da universidade.

Os micro-organismos que crescem dentro do wetland (aderidos às pedras e às raízes das plantas) são os grandes responsáveis pelo tratamento do esgoto. De acordo com as últimas amostras recolhidas pela equipe de pesquisa, o tratamento realizado na estação conseguiu remover 84% do material orgânico presente no esgoto. Outro resultado significativo foi o índice de 60% de conversão de nitrogênio amoniacal, com significativa nitrificação (transformação de amônia em nitrato). Embora o efluente resultante do tratamento não seja próprio para o consumo humano, as amostras recolhidas atestam que está dentro dos parâmetros exigidos pelos conselhos nacional e estadual do Meio Ambiente para emissão em corpos de água superficiais.

Esse tipo de estação de tratamento não se distingue somente por ser ecologicamente correta, mas também por uma característica inesperada em se tratando de esgoto. Os wetlands construídos destacam-se por seu aspecto paisagístico, como evidenciam as belas flores que ostentam as helicônias plantadas na estação experimental da Casa do Estudante. Quem passa por ela pode compreensivelmente confundi-la com um jardim. Esse é um dos motivos por que os wetlandsconstruídos são cada vez mais populares na Alemanha, na França e em outros países da Europa. Também têm a vantagem de ser um sistema mais barato de construir e manter em comparação com estações de tratamento tradicionais…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

 

Comentários estão fechados.