Medula óssea coletada no Husm será doada a criança de Istambul

Tags

Diário de Santa Maria, 13/05/2016

  Pela primeira vez na história, o Hospital Universitário de Santa Maria(Husm), realiza uma coleta para transplante de medula não aparentado internacional. Um paciente da Serra Gaúcha, cuja identidade foi preservada, realizou o procedimento, em Santa Maria, na manhã desta quinta-feira. O material será doado a um menino da cidade de Istambul, capital da Turquia.

A história começa assim: em 2011, um jovem gaúcho fez o cadastro para ser um doador de medula. Cinco anos depois, ele foi contatado por profissionais turcos informando que eram grandes as chances de ele ser compatível com uma criança daquele país, que necessitava da doação.

Em abril, novos testes laboratoriais comprovaram o fato. Às 7h30min desta quinta,  no Husm, acontecia a primeira coleta para transplante não aparentado para fora do país. Na sexta, a criança deve acontecer o transplante, quando a criança deve receber o Antígenos Leucocitários Humanos (HLA –  abreviação em inglês), que são tecidos compatíveis entre as duas pessoas.

De acordo com o médico responsável pelo ambulatório de pré-transplante do Husm, Cristian Dias Barbosa, as chances para compatibilidade são de 30% entre pessoas da mesma família, e de 1 para 50 mil ou 1 para 100 mil entre não parentes, dependendo da tipagem sanguínea. O médico enfatiza que o Brasil propicia o fato por ser o país de maior diversidade étnica do mundo.

– Este procedimento é uma das relações mais altruístas que podem salvar vidas em qualquer parte do mundo – destaca Barbosa.

Comentários estão fechados.