Reitor da UFSM é favorável à cobrança de pós-graduação em instituições públicas

Diário de Santa Maria, 14/03/2017 

Reitor da UFSM é favorável à cobrança de pós-graduação em instituições públicas Fernanda Ramos/especial

Conselho Universitário da UFSM ainda vai debater o assuntFoto: Fernanda Ramos / especial

Uma sessão extraordinária está marcada para esta quarta-feira (15) na Câmara dos Deputados para votar a PEC 395/14, que permite às universidades públicas cobrarem pela pós-graduação lato sensu, exceto mestrado profissional.
O reitor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Paulo Burmann, diz que a cobrança de cursos da pós-graduação é antiga e que, atualmente, o conselho da UFSM não debateu o assunto.

Apesar disso, Burmann diz que a atual administração da universidade é favorável à PEC. Ele comenta que se a Proposta 395/14 for aprovada, a instituição de Ensino Superior deverá organizar, de acordo com a legislação, os critérios em que os cursos serão ofertados.

AS REGRAS

Já as pós-graduações stricto sensu compreendem programas de mestrado e doutorado abertos a candidatos diplomados em cursos superiores de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino e ao edital de seleção dos alunos. Ao final do curso, o aluno obterá diploma.

A Câmara dos Deputados justifica a PEC como forma de reforçar o caixa das instituições, permitindo a elas oferecer cursos direcionados a empresas, por exemplo. Atualmente, algumas instituições cobram por esses cursos, mas têm sido contestadas na Justiça.


Conforme o Ministério da Educação (MEC), as pós-graduações lato sensu compreendem programas de especializações e incluem os cursos designados como MBA (Master Business Administration).

Com duração mínima de 360 horas, ao final do curso lato sensu o aluno obtém certificado e não diploma. São abertos a candidatos com diplomados em cursos superiores e que atendam às exigências das instituições de ensino.

 

Comentários estão fechados.