Reitor reeleito da UFSM quer retomar tratativas para gestão do Hospital Regional

Gaúcha SM, 29/06/17, Geral, Online

Paulo Burmann fala que é preciso entendimento com o Estado e União para agilizar demanda

Reeleito para mais quatro anos à frente da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o reitor Paulo Burmann fala dos desafios para o próximo mandato frente à comunidade acadêmica. Mas também cita que a instituição precisa ser protagonista em demandas dos santa-marienses e toca em um tema, no que ele entende, como fundamental: a abertura do Hospital Regional de Santa Maria, que segue fechado.

“Nós vamos seguir insistindo com os governos estadual e federal para que esse hospital seja aberto o quanto antes e, de fato, passe a ser uma alternativa às pessoas que precisam do SUS. Até porque hoje temos o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm) como porta de entrada para mais de 40 municípios de várias regiões do Estado. Queremos um Hospital Regional 100% SUS incluído no sistema de saúde pública de Santa Maria e região. E, claro, de preferência vinculado à UFSM para que a Ebserh possa fazer a sua gestão, a exemplo do que já ocorre com o Husm. Essa é uma pauta de toda Santa Maria”, avaliou o reitor.

Burmann falou em uma outra preocupação: a necessidade de garantir a expansão da Federal e citou como o campus de Cachoeira do Sul, como o mais emblemático dessa demanda, que contabiliza problema no que foi pactuado entre a universidade e o governo federal. Sobre o campus de Cachoeira do Sul, a universidade recebeu apenas R$ 2 milhões de um total de R$ 50 milhões previstos.

O reitor enfatiza que o desafio da gestão é dar sequência à busca por recursos que são para demandas da instituição e que, até o momento, seguem retidos pela União. Ele lembra que há, pelo menos, um valor de R$ 160 milhões a ser recebido pela UFSM.

“O desafio é garantir a dinâmica de funcionamento da universidade. E, para isso, precisamos que o governo federal libere os recursos pactuados conosco para a construção e conclusão do campus de Cachoeira do Sul. Mas ainda temos outras demandas que precisam, necessariamente, ser observadas e que são vitais à universidade: liberação de vagas para docentes que foram comprometidos para o campus de Cachoeira do Sul, e também demandas para os dois cursos de Engenharia Aeroespacial e Engenharia de Telecomunicações. Tudo isso soma cerca de R$ 160 milhões. Um valor bem expressivo”.

Ainda sobre a reeleição, Burmann avalia que o resultado da eleição foi a consolidação de um trabalho sério no comando da reitoria. O reitor obteve 51,94% dos votos válidos, o que representa 5,8 mil votos.

O orçamento da UFSM, nos últimos anos, tem ficado na casa de R$ 1 bilhão. A efeito de comparação, o orçamento da prefeitura de Santa Maria, para este ano, é de R$ 690 milhões.

Comentários estão fechados.