UFSM precisa de R$ 25 milhões para fechar as contas de 2017, diz reitor

Diário de Santa Maria, 30/10/17, Economia e Política, Online.

Paulo Burmann falou sobre a situação da instituição em audiência pública

UFSM precisa de R$ 25 milhões para fechar as contas de 2017, diz reitor Lucas Amorelli/New CO DSM
Em audiência pública realizada nesta segunda-feira, na Câmara de Vereadores, reitor Paulo Burmann pediu mobilização pela UFSMFoto: Lucas Amorelli / New CO DSM

Em audiência pública realizada nesta segunda-feira na Câmara de Vereadores, o reitor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Paulo Burmann, reiterou o apelo para que as lideranças da região se unam para pressionar o governo federal a liberar recursos para a instituição.

A UFSM, segundo ele, tem R$ 152 milhões a receber do Ministério da Educação de 2014 até este ano. Para fechar as contas de 2017, a UFSM precisa de R$ 25 milhões.

– É um número assustador para a universidade. Esse é o montante de recursos que deixou de entrar na economia local – avalia o chefe da UFSM, criticando o corte nos investimentos e nas verbas de custeio (manutenção).

Uma das preocupações é com as obras do campus de Cachoeira do Sul, orçadas em R$ 129 milhões em 2014. Até agora, foram liberados somente R$ 9 milhões.

A dívida só com o campus de Cachoeira, um dos quatro da instituição, é de R$ 120 milhões e não há perspectiva de que, mantido o cenário de cortes, esse dinheiro seja liberado.

A expectativa é que o governo libere para a UFSM R$ 14 milhões do seu orçamento bloqueado em Brasília por conta do contingenciamento promovido pela União para enfrentar a crise econômica que atinge o país.

A Reitoria conta com esse dinheiro na virada deste mês, conforme promessa do ministro da Educação, Mendonça Filho, feita ao reitor, em audiência na Capital Federal.

CENÁRIO

O orçamento global da UFSM, de cerca de R$ 1,1 bilhão, deverá ser mantido. No entanto, R$ 33 milhões previstos para investimentos deverão ser contingenciados.

– Esse dinheiro ficaria na mão do ministro para ser liberado, conforme a demanda – explicou o reitor.

 Santa Maria - RS - BRASILAudiência pública da Frente Parlamentar das Instituições  de Ensino na Câmara de Vereadores

Poucas pessoas participaram de audiência pública, na Câmara de Vereadores, sobre falta de repasse de recursos para a UniversidadeFoto: Lucas Amorelli / New CO DSM

É nesse contexto de incertezas para 2018 que Burmann pede a mobilização dos santa-marienses e de lideranças regionais e estaduais, como prefeitos, vereadores e deputados estaduais, para mobilizar deputados federais e senadores, responsáveis pela votação do orçamento da União.

De acordo com o reitor, a proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA) elaborada pelo governo federal “está um tanto quanto confusa”.

– Estamos prevendo um cenário bastante difícil para 2018 e isso, se confirmado, vai implicar na paralisação de obras – alertou o reitor.

PÚBLICO PEQUENO

Promovida pela Comissão de Educação, Cultura e Lazer e pela Frente Parlamentar de Apoio às Universidades Públicas e aos Institutos Federais de Educação, a audiência pública teve um público de cerca de 25 pessoas, incluindo o vice-reitor eleito, Luciano Schuch, o secretário  geral do Gabinete do Reitor, Marionaldo Ferreira, e os vereadores Jorge Trindade (Rede), Jorjão; Lucia Duartes (PDT), Professora Luci Tia da Moto; e Adelar Vargas (PMDB), Bolinha.

– Nós gostaríamos que esta Casa estivesse lotada. Depois, é fácil cobrar – frisou Luci, que preside a Comissão de Educação do Legislativo.

Presidente da frente parlamentar, Jorjão, que é servidor da UFSM, lembrou que as audiências públicas promovidas em outras cidades onde a instituição tem campi (Cachoeira do Sul, Palmeira das Missões e Frederico Westphalen) tiveram mais participação da comunidade.

A ideia é aumentar a mobilização para pressionar os deputados federais e senadores até a votação do orçamento da União.nomia local – avalia o chefe da UFSM, criticando o corte nos investimentos e nas verbas de custeio (manutenção).

Uma das preocupações é com as obras do campus de Cachoeira do Sul, orçadas em R$ 129 milhões em 2014. Até agora, foram liberados somente R$ 9 milhões.

A dívida só com o campus de Cachoeira, um dos quatro da instituição, é de R$ 120 milhões e não há perspectiva de que, mantido o cenário de cortes, esse dinheiro seja liberado.

A expectativa é que o governo libere para a UFSM R$ 14 milhões do seu orçamento bloqueado em Brasília por conta do contingenciamento promovido pela União para enfrentar a crise econômica que atinge o país.

A Reitoria conta com esse dinheiro na virada deste mês, conforme promessa do ministro da Educação, Mendonça Filho, feita ao reitor, em audiência na Capital Federal.

CENÁRIO

O orçamento global da UFSM, de cerca de R$ 1,1 bilhão, deverá ser mantido. No entanto, R$ 33 milhões previstos para investimentos deverão ser contingenciados.

 Santa Maria - RS - BRASILAudiência pública da Frente Parlamentar das Instituições  de Ensino na Câmara de Vereadores

Vereador Adelar Vargas (PMDB), reitor Paulo Sarkis; vereadora Luci Duartes (PDT) e Vereador Jorge Trindade (Rede) na audiência públicaFoto: Lucas Amorelli / New CO DSM

– Esse dinheiro ficaria na mão do ministro para ser liberado, conforme a demanda – explicou o reitor.

É nesse contexto de incertezas para 2018 que Burmann pede a mobilização dos santa-marienses e de lideranças regionais e estaduais, como prefeitos, vereadores e deputados estaduais, para mobilizar deputados federais e senadores, responsáveis pela votação do orçamento da União.

De acordo com o reitor, a proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA) elaborada pelo governo federal “está um tanto quanto confusa”.

– Estamos prevendo um cenário bastante difícil para 2018 e isso, se confirmado, vai implicar na paralisação de obras – alertou o reitor.

PÚBLICO PEQUENO

Promovida pela Comissão de Educação, Cultura e Lazer e pela Frente Parlamentar de Apoio às Universidades Públicas e aos Institutos Federais de Educação, a audiência pública teve um público de cerca de 25 pessoas, incluindo o vice-reitor eleito, Luciano Schuch, o secretário  geral do Gabinete do Reitor, Marionaldo Ferreira, e os vereadores Jorge Trindade (Rede), Jorjão; Lucia Duartes (PDT), Professora Luci Tia da Moto; e Adelar Vargas (PMDB), Bolinha.

– Nós gostaríamos que esta Casa estivesse lotada. Depois, é fácil cobrar – frisou Luci, que preside a Comissão de Educação do Legislativo.

Presidente da frente parlamentar, Jorjão, que é servidor da UFSM, lembrou que as audiências públicas promovidas em outras cidades onde a instituição tem campi (Cachoeira do Sul, Palmeira das Missões e Frederico Westphalen) tiveram mais participação da comunidade.

A ideia é aumentar a mobilização para pressionar os deputados federais e senadores até a votação do orçamento da União.

NÚMEROS DA CRISE

– Com orçamento de R$ 1,1 bilhão para 2017, a UFSM sofre com o corte de verbas e atrasos em repasses para o funcionamento de seus 4 campi (Santa Maria, Cachoeira do Sul, Frederico Westphalen e Palmeira das Missões)

– A folha de pagamento anual da instituição gira em torno de R$ 900 milhões

z A redução de repasses começou em 2014, ano em que dos R$ 52 milhões previstos para custeio (manutenção e funcionamento da instituição), foram repassados apenas R$ 21 milhões

– Em 2015, o contingenciamento foi de R$ 58 milhões

– A dívida acumulada do governo com a UFSM, de 2014 a 2017, só com cortes e contingenciamentos, é de R$ 152 milhões

– A UFSM espera receber pelo menos R$ 14 milhões na virada do mês, recursos estes que estão bloqueados em Brasília

– Para fechar as contas deste ano, a Reitoria espera receber mais R$ 25 milhões que estão contingenciados

– Além disso, o Ministério da Educação liberou somente R$ 9 milhões dos R$ 129 milhões previstos para a construção do campus de Cachoeira do Sul

 Começam os cortes de terceirizados na UFSM

Líder comunitária critica falta de estrutura do Hospital Universitário

Líder comunitária e ex-presidente do Conselho Municipal de Saúde, Idalina Mirasso, 65 anos, aproveitou a audiência pública sobre os cortes de recursos na UFSM para fazer um desabafo sobre o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm).

Idalina expôs seu drama pessoal para criticar a questão da saúde pública e da falta de dinheiro para o hospital, que é vinculado ao Ministério da Educação, se equipar.

Em 2006, ela foi diagnosticada com um tumor na base do cérebro.

 Apesar de demissões, UFSM garante que Jardim Botânico não vai fechar

Apesar de não ser um tumor maligno, a líder comunitária precisa de tratamento, que passará por uma cirurgia para que a doença não evolua.

No entanto, ao procurar o Husm, Idalina soube que o hospital não dispõe de equipamentos para realizar o procedimento que ela necessita.

A solução foi ingressar na Justiça para conseguir o tratamento, que agora será feito no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre.

– Por que eu tenho que ir para um hospital-escola fora de Santa Maria se aqui também temos um hospital universitário?

Qual a real atenção que estão dando para o cidadão? – questionou a líder comunitária, que aproveitou para questionar a demora na abertura do Hospital Regional, que já está com a estrutura pronta há mais de ano.

Ao responder, o reitor Paulo Burmann concordou com as críticas de Idalina e aproveitou para, mais uma vez, reforçar o apelo pela mobilização por mais recursos para a UFSM.

– Talvez o lobby lá (Porto Alegre) seja maior.

O Hemocentro Regional, que é responsabilidade do governo estadual, está se mantendo graças a servidores da UFSM. Estamos sendo tratados à margem do processo.

Comentários estão fechados.