Listas de chamadas podem ajudar a identificar autores de ataques racistas na UFSM

Diário de Sanra Maria, 24/11/2017, Geral, Online.

A Polícia Federal recebeu, na tarde de terça-feira, os documentos que havia solicitado à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) para dar continuidade às investigações dos casos de ataques racistas ocorridos dentro da sala do Diretório Livre do Direito, em agosto e setembro deste ano. Agora, esses documentos serão analisados, para tentar identificar a autoria dos ataques. Na última terça-feira, um terceiro ataque racista ocorreu no diretório acadêmico das Ciências Sociais, no campus.


Em setembro, alunos encontraram frases racistas e os nomes de dois estudantes nas paredes do DLDFoto: Reprodução / reprodução

De acordo com o delegado Diogo Caneda, responsável pelas investigações dos três casos de racismo na instituição, foram pedidas cópias das listas de presença dos alunos que tiveram aula no prédio do diretório entre os dias em que as pichações foram encontradas. Além disso, atas de reuniões do diretório, onde constam assinaturas dos alunos que participaram dos encontros, também foram encaminhadas à PF.

A partir de agora, a PF vai analisar a documentação entregue pela UFSM. O prazo para conclusão das investigações termina em janeiro de 2018, mas, segundo o delegado, o objetivo é concluir os casos o mais breve possível.

– A gente tem se dedicado bastante a esses três casos e queremos muito identificar quem são as pessoas que fizeram isso. O que nós queremos é mostrar que essas atitudes são erradas e que há, sim, uma punição para quem faz esse tipo de coisa – explicou Caneda.

Além disso, a investigação do caso em que o desenho de uma suástica foi encontrado, em agosto, também na sala do DLD, não tem novidades. A expectativa para conclusão das investigações é que os dois primeiros casos tenham alguma relação. Conforme a PF, nos próximos dias, outros documentos, em relação ao caso ocorrido no diretório do curso de Ciências Sociais, devem ser solicitados à UFSM.

ATO EM REPÚDIO AO RACISMO
Desde as 8h30min desta sexta-feira, cerca de 200 alunos do curso de Ciências Sociais da UFSM, além de representantes do DCE, participam de um ato em repúdio ao racismo, em frente ao prédio da reitoria, no campus de Camobi. Na terça-feira, alunos do curso encontraram frases racistas nas paredes do diretório. Os nomes de três alunos também foram escritos, ao lado de frases como “Brancos no topo, fora macacos”.

Frases foram encontradas em uma das paredes do diretório das Ciências Sociais, no início desta tarde
Foto: Reprodução
A ideia dos alunos é permanecer no local durante todo o dia, com cartazes, bonecos e intervenções contra os ataques racistas, para cobrar um posicionamento por parte da instituição.

 

Comentários estão fechados.