Ctism conquista prêmio nacional com trabalho sobre história e culturas afro-brasileiras

Diário de Santa Maria, 26/12/17, Representatividade, Online. 

Projeto foi realizado por alunos dos 3º anos do Ensino Médio


Foto: Lucas Amorelli (Diário) / Alunos dos terceiros anos do Ctism realizaram projeto ao longo do ano sobre história e culturas afro-brasileiras

Além de ensinar a parte técnica de cursos como Informática, Eletrotécnica e Mecânica, o Colégio Técnico Industrial de Santa Maria (Ctism) realiza projetos para buscar ensinamentos mais humanos aos estudantes, como explica a professora de História Roselene Pommer. Desde 2010, ela trabalha com os alunos dos 3º anos do Ensino Médio com o Ciclo de Estudos sobre História e Culturas Afro-Brasileiras. No início deste mês, o projeto foi premiado pelo Desafio Criativos da Escola, organizado pela Fundação Alana, uma organização não governamental com sede em São Paulo, que busca  melhorar as condições de vida das crianças.

Roselane e três estudantes, um representante de cada curso técnico do Ctism, estiveram no Rio de Janeiro de 2 a 5 de dezembro para receber o prêmio e participar de dinâmicas com integrantes de outros 10 projetos que também foram selecionados. Os 11 classificados ganham certificado e R$ 2 mil. O projeto premiado do Ctism, foi produzido em 2016, quando um grupo com cerca de 75 estudantes dos 3º anos do Ensino Médio Integrado investigou e biografou 13 pessoalidades negras de Santa Maria.

ALÉM DA SALA DE AULA

A estudante Ana Flávia Souza, 17 anos, que foi para o Rio de Janeiro, conta que viveu novas descobertas, a começar pela viagem de avião.

- Eu estava nervosa, não sabia como era voar, mas gostei muito. E lá no Rio nós tivemos várias atividades integradas com os outros grupos, que eram de diversos cantos do país. Foi legal ver que não é só a gente que luta por algo melhor, sabe? – conta a adolescente.

A professora Roselene lembra que Ana Flávia, e os outros alunos que foram na viagem, Gabrielle da Conceição, 17, e Jackson Moraes, 19, são cotistas do Ctism. Ela diz que é muito importante para eles, e todos os outros estudantes, que se se reconhecem como negros, ver o projeto receber um prêmio que valoriza a cultura afro-brasileira. Com a verba ganha com a classificação, Roselene diz que foi feita uma festa de encerramento do ano, para contemplar os estudantes que não puderam ir à viagem, e o restante será guardado para eventuais despesas no próximo ano.

Os alunos que participaram do projeto em 2017 pesquisaram os Reinos Africanos, para mostrar que não foram apenas reis e rainhas europeus que fizeram parte da história da humanidade. Confira os trabalhos realizados pelo ciclo em 2016 e 2017.

 

O que é o Desafio Criativos da Escola

  • Criada em 1994, a Fundação Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. A organização conta com programas próprios e com parceiros e é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013
  • O programa Criativos da Escola, da Fundação Alana, tem como objetivo encorajar crianças e jovens a transformarem suas realidades e comunidades
  • O Desafio incentiva estes jovens a usarem protagonismo social, a empatia, a criatividade e o trabalho em equipe
  • A iniciativa faz parte do Design for Change, movimento global originário da Índia e está presente em 60 países

 

O prêmio do Ctism

  • O Ciclo foi escolhido, dentre os 1.492 projetos inscritos, como um dos 11 melhores do país
  • Foi o único representante do Rio Grande Sul
  • Apresentou a história de 13 personalidades negras de Santa Maria

Comentários estão fechados.