Quem são os homenageados da 45ª Feira do Livro de Santa Maria

Diário de Santa Maria, 21/02/18, Literatura, Online.

Evento ocorre de 28 de abril a 13 de maio, na Praça Saldanha Marinho

Suelen Soares

Foto: Divulgação/Arte Gibran Carrazzoni (Diário)
Patrono Valter Noal Filho (esq.), professora homenageada Maribel Dal Bem e escritor homenageado Felipe D’Oliveira

A estação da leitura começa a ganhar forma. Nesta semana, a organização da 45ª Feira do Livro de Santa Maria, que vai ocorrer de 28 de abril a 13 de maio, anunciou os nomes de seu Patrono e das personalidades homenageadas, que foram escolhidas pelos integrantes da comissão do evento.

De acordo com a secretária de Cultura, Esporte e Lazer, Marta Zanella, que faz parte da Comissão da Feira, as escolhas são feitas devido a contribuição que os homenageados dão para a cultura literária da cidade.

- O trabalho de Valter é reconhecido como pesquisador, principalmente quando falamos de Santa Maria. A professora Maribel tem um desempenho fantástico junto aos alunos. E Felipe D’Oliveira, embora tenhamos o concurso literário com o seu nome, jamais tinha sido homenageado na feira – explica a secretária.

O PATRONO

Valter Noal Filho conta que o seu envolvimento com a feira começou há quase 30 anos e, desde então, testemunha o crescimento do evento.

- Frequento desde o início da década de 1980. Muito me satisfaz vê-la fortalecida neste século. Nem sempre foi assim – afirma o Patrono.

Nascido em Santa Maria, graduou-se em Comunicação Visual, em 1983, pela Universidade Federal de Santa Maria, instituição onde exerce esse ofício. Noal é um pesquisador literário de viagem sul-riograndense e investiga o passado santa-mariense, sobretudo por meio da imprensa e da fotografia.

Segundo ele, o que o motiva é a curiosidade que nutre sobre o passado, especialmente sobre o Coração do Rio Grande. Um exemplo é a sua investigação sobre a data precisa do nascimento de Santa Maria.

- Digamos que seja uma forma de autoconhecimento. Tenho predileção por fontes primárias. O contato com tantas e tão valiosas informações me proporcionou que amadurecesse a vontade de colaborar para a sua preservação e estimular que novos pesquisadores se dediquem aos temas, com maior aprofundamento – explica o pesquisador.

Essas pesquisas resultaram em publicações e até em um Prêmio Açorianos de Literatura, em 2005, com os livros Os viajantes olham Porto Alegre: 1754/1890 e Os viajantes olham Porto Alegre: 1890/1941 (Editora Anaterra), que segundo ele são frutos de muita pesquisa, esforço e zelo.

Além dos livros citados, o pesquisador ainda publicou, em 1997, com José Newton C. Marchiori, o livro Santa Maria: Relatos e Impressões de Viagem (Editora UFSM). Em 2008, publicou Do céu de Santa Maria (Prefeitura Municipal de Santa Maria), com José Newton C. Marchiori, Paulo Fernando S. Machado e Werner Rempel. Em 2017, publicou Francisco Ricardo: Uma Tragédia Esquecida (Editora L&PM), com Sergio Faraco.

Como organizador ou pesquisador convidado, tem contribuído em diversas obras relacionadas ao passado de sua terra natal, destacando-se A Arte Fotográfica e o Teatro em Santa Maria (2005), de Getulio Schilling, e Theatro Treze de Maio: Um Espetáculo de História (2016), de Luiz G. Binato de Almeida.

 

O ESCRITOR

O escritor homenageado é Felipe D´Oliveira. O artista, que tem busto na Praça Saldanha Marinho e empresta o seu nome ao Concurso Literário, recebe, pela primeira vez, uma homenagem na Feira. Morto em um acidente de automóvel, na França, em 1933, o escritor nasceu em Santa Maria, no dia 23 de agosto de 1890. Felipe Iniciou seus estudos na cidade, completou-os em Porto Alegre e trabalhou com o tio, João Daudt de Oliveira, em sua farmácia. Muito jovem, já escrevia críticas musicais publicadas no Correio do Povo. Antes disso, ainda menino, publicou artigos de crítica literária e versos em O Combatente, na sua cidade natal.

Para receber a homenagem, virá do capital carioca, o sobrinho-neto do escritor, o economista Ricardo José Daudt de Oliveira, que ficará apenas um dia na cidade que ele não visita há, aproximadamente, 40 anos.

- Será muito legal retornar, quando a organização entrou em contato comigo eu já fui ver as passagens para ir. Vou ir em um dia e retornar em outro, mas realmente será uma homenagem muito legal de receber -afirma Oliveira.

No Rio de Janeiro, cidade para onde se transferiu para trabalhar no laboratório do tio, publicou o livro de poemas Vida Extinta, consagrado pela crítica e pelo púbico. Em 1927, lançou sua obra mais conhecida, Lanterna Verde, onde se encontra o poema de mesmo nome.

 

A PROFESSORA

Premiada educadora, Maribel Dal Bem é formada em Letras, Literatura Brasileira e tem curso de especialização na mesma área, Maribel atua no magistério gaúcho desde 1992, em instituições públicas e privadas. Atualmente, ela leciona na Escola Estadual Cilon Rosa e também na Educação de Jovens e Adulto (EJA) Julieta Balestro, localizada no Presídio Regional

Autora de obras didáticas e orientadora de projetos que envolvem as escolas e a comunidade, a professora, junto com os jovens escritores da escola Cilon Rosa, prepararam mais uma publicação que será lançada na Feira do Livro.

 

- Eu não esperava o convite, mas também fiquei lisonjeada, não só por mim, mas pelos alunos, que neste ano, lançaram mais um livro intitulado Santa Maria – Olhares e Memórias e isso é muito honroso – destaca a professora.

Além dos lançamentos, que ocorrem desde 2012, a educadora e os discentes também organizam atividades como varais poéticos durante a Feira. Segundo ela, o objetivo é que as crianças e jovens tenham um futuro diferente, principalmente longe das grades.

- Eu dou aula também no presídio, então eu sei como é essa realidade e o objetivo é fazer com que estas crianças nunca cheguem lá – finaliza Maribel.

Comentários estão fechados.