UFSM. Entidades chamam reitoráveis para Jornada de Lutas. Candidatos irão se manifestar em 23 de maio

BLOG Claudemir Pereira, 17/05/2013

As três entidades representativas dos segmentos na UFSM (Sedufsm, Assufsm e DCE) promovem uma atividade dentro da Jornada de Lutas, que ocorre de 20 a 24 de maio, em todo o país, por orientação do ANDES-SN e da Fasubra. Na quinta, 23, foram convidados a se manifestar a respeito da pauta levantada pelas entidades, os candidatos à reitoria da UFSM. A manifestação dos reitoráveis acontecerá às 11h, no Anfiteatro Lói Trindade Berneira, junto ao prédio C, da Química.

Conforme a secretaria da Sedufsm, até o momento já confirmaram presenças, duas das três candidaturas: a de Eduardo Rizzatti e Thomé Lovato e a de Paulo Afonso Burmann e Paulo Bayard Gonçalves, restando ainda o retorno da chapa liderada pelo atual reitor e o vice da instituição, Felipe Müller e Dalvan Reinert.

A Fasubra, através do seu diretor Rogério Marzola, listou os principais motivos da adesão à Jornada que ocorrerá na próxima semana: “Na análise de conjuntura que fizemos sobre as principais lutas da categoria, identificamos a luta por democracia nas universidades, pela redução da jornada de trabalho para 30 horas e contra a Ebserh. Estas são as principais lutas que estão aparecendo especificamente para a categoria”, declarou o sindicalista.

Já a direção do ANDES-SN se pronunciou dando as boas vindas à adesão da Fasubra ao movimento. “Saudamos a Fasubra e achamos importante porque a experiência da greve de 2012 foi significativa para a unidade na luta e nos propiciou uma paralisação cada vez mais forte, com a participação das entidades da educação – docentes e técnicos – nas atividades comuns. Iniciar o ano com uma jornada de lutas com datas congruentes é extremamente positivo e nos dará forças para enfrentar o ano de 2013”, afirmou a 1º secretária do ANDES-SN e integrante da coordenação do setor das Federais do sindicato, Marina Barbosa.

A jornada organiza uma agenda concreta de lutas para o setor das Federais, seguindo o que foi deliberado no 32º Congresso do ANDES-SN, realizado em março deste ano, no Rio de Janeiro. “Vamos continuar lutando pela reestruturação da carreira e por melhores condições de trabalho. Estas são questões centrais que ainda não foram resolvidas”, afirma Marina Barbosa Pinto.

Texto: Fritz R. Nunes com informações do ANDES-SN

Comentários estão fechados.