Leitura compartilhada

Publicado por em 01/12/2014 em Capa, Cultura participativa

Não foram só os novos suportes para leitura (tablets, smartphones, kindles, notebooks) que alteraram a forma com que os indivíduos se relacionam com os livros. As redes sociais também vêm ocupando um papel importante na transição desta cultura, anteriormente restrita ao papel e recentemente incorporada para o universo digital.

Criada no Brasil em 2009, a comunidade virtual Skoob é um exemplo desta nova realidade. O site promove uma intensa troca de experiências entre os amantes da leitura, permitindo que compartilhem o que estão lendo, o que irão ler e, ainda, o que pensam a respeito das obras já lidas. Permite também um serviço que vai além: a troca ou venda de livros. Esta prática, que remete ao já antigo sebo, é recriada no ambiente virtual, proporcionando uma experiência bem mais ampla, graças ao poder da internet.

culturaparticipativa_leituracompartilhada_01

Leitura também pode combinar com tecnologia
Créditos: Desconhecido / Reprodução site WeHeartIt

 

O site é objeto de estudo de muitos autores, que buscam discutir, entre outras questões, a influência que o Skoob exerce sobre seus usuários. No artigo de Larissa Akabochi de Carvalho e Giulia Crippa denominado “A comunidade virtual Skoob: um novo meio de comunicação sobre livros, leituras e leitores”, publicado em 2013 no III Seminário de Informação em Arte, as autoras afirmam que a rede social acaba interferindo na recepção da obra pelos seus leitores, a partir do que lêem a respeito dela no Skoob. Portanto, o site não serve apenas para que as pessoas compartilhem o que estão lendo ou irão ler, mas como fonte da decisão do que irão ler no futuro.

 

Deixe o livro viajar!

Semelhante a outras redes sociais, no Skoob é possível criar comunidades para reunir usuários com interesses em comum. Uma das comunidades mais interessantes é a Livro viajante, que conta com mais de 6 mil membros. O grupo funciona da seguinte maneira: um membro escolhe seu livro para “viajar” e então, define suas regras, como o número de vagas, dias para completar a leitura, entre outros detalhes. Então, os demais membros podem se alistar para receber o livro em sua casa, lê-lo e repassá-lo para o nome seguinte da lista. O livro segue a viagem até que a última pessoa o tenha lido, e esta reenvia para o dono.

Esta prática pode ser interessante para quem estiver tentando economizar dinheiro, ou até mesmo querendo conhecer novas pessoas e trocar ideias sobre os títulos. Para ter acesso ao grupo, é preciso ser membro do Skoob.

culturaparticipativa_leituracompartilhada_02

Legenda: A comunidade é uma das mais famosas do Skoob
Créditos: Skoob / Reprodução

 

A Ms. Tauana Weinberg Jefmann, professora da UFSM e dos cursos de Comunicação Social também é outra pesquisadora sobre o assunto. Ela já realizou um estudo relacionado ao encontro dos Skoobers na cidade de Porto Alegre, que geralmente ocorrem em cafés, e deu ênfase a relação entre o café e o livro. O artigo, chamado “O sabor do saber: Uma análise da relação entre cafés, livros e redes sociais segmentadas através do Encontro dos Skoobers”, foi publicado no VIII Simpósio Nacional da ABCiber.

Abaixo, você confere um tutorial em vídeo, que ensina a utilizar a rede social e aproveitar melhor todas as suas funcionalidades:

 

Texto: Gabriela Barreto e Louise Olkoski – gabriela-barreto@live.com e louise_olkoski@hotmail.com

Leia mais

Adaptações dos Clássicos Literários para o Teatro

Publicado por em 01/12/2014 em Produtos editoriais

 editoria_adaptaçõesdosclássicosliterários_01As pesquisas apontam que a literatura está escassa. Existem fontes como o PISA e o IPL – Instituto Pró-Livro que indicam que a média de leitura dos brasileiros é considerada muito baixa. E coincidência ou não, a média de pessoas que comparecem ao teatro também é pouco significativa.

O número de adaptações literárias feitas para o teatro é menor ainda do que se imagina. Além dos Clássicos antigos (aqueles que os professores passam em aula no Ensino Médio, visando o Vestibular), outros que ainda se salvam do esquecimento nos palcos são os infantis.

Se uma plataforma não impede (e nem anula) a outra, as duas juntas podem muito bem se complementar. Mas as dúvidas sobre as adaptações teatrais ainda são tão relativas quanto a própria popularidade do teatro.

“Confundem teatro com liberdades, licenciosidades, glórias, paetês, retrato no jornal, riquezas”, já dizia a atriz brasileira de telenovelas e cênicas, Fernanda Montenegro. O  teatro é confundido com produto de luxo no mercado e as adaptações são confundidas com figurinhas batidas de quem conhece a história de trás pra frente.

Em Debate filmado sobre a funcionalidade prática das adaptações das obras literárias para o teatro, o autor dramaturgo Paulo Rogério Lopes esclarece:

“Não é transpor uma obra para o palco, é recriar. Se for para transpor, deixe ela como literatura.”.

E qual é o significado desse depoimento? Uma adaptação é uma releitura de um clássico pré existente em formato literário (narrativo, poético, descritivo) para uma nova abordagem cênica (palco, cenário, figurino), uma nova interação. O autor adaptador tem que ser também um visionário para imaginar aquele mundo escrito em um visual e sonoro. É um novo espetáculo para um público que veio ver uma peça, e não ler um livro.

Embora isso não queira dizer que a plateia não espere bastante do que vai assistir, afinal, se ela escolheu aquele título em especial, ela espera um retorno desse tempo/dinheiro gasto. Quando gostamos de um livro, não desejamos ver a história “arruinada” com uma adaptação ruim.

 

Confira o vídeo onde Paulo Rogério e a diretora teatral Beth Lopes pontuam as dificuldades e as certezas do teatro adaptado:

 

 

Pesquisa online com estudantes anônimos de Porto Alegre e Santa Maria que estejam em processo de graduação (sem faixa etária definida), através de formulário na plataforma do Google Forms com a pergunta:

Comparando a frequência que você assiste adaptações da literatura para o Cinema e para o Teatro: as duas referências te atingem da mesma forma?

De acordo com as respostas, pode-se observar várias peculiaridades e sentimentos das pessoas sobre esses dois recursos. Destacam-se:

editoria_adaptaçõesdosclássicosliterários_02

Tabela Pesquisa online com estudantes

 

O que se pode deduzir é que o teatro desperta sim, a atenção e o fascínio do público. As pessoas confiam no bom trabalho cênico sem nem ao menos, muitas vezes, terem contato direto e frequente com esse meio.

Porque as pessoas apesar de acharem um ótimo programa, procrastinam e sabotam a ida ao teatro?

O que falta para essas pessoas às vezes é só um empurrãozinho cultural!

Na mesma pesquisa online foi feita uma pergunta direcionada aos atores Porto Alegrenses e Santa Marienses, indagando:

Como é a recepção do público para as adaptações de Clássicos Literários para os Palcos? (Funciona?)

editoria_adaptaçõesdosclássicosliterários_03

Tabela Pesquisa online com atores

Autores Clássicos que tiveram muitas das suas obras adaptadas:

  • William Shakespeare
  • Oscar Wilde
  • Os irmãos grimm
  • Bukowski
  • Agatha christie
  • Stephen King
  • Mollière

 

Algumas vezes, a falta de intimidade e recepção dos palcos se deve a pouca divulgação das redes sociais e mídias massivas e escassez de conhecimento das vantagens e facilidades que atualmente as Empresas Teatrais estão oferecendo para aproximar o público popular. Conheça algumas e embarque na vivência do auto, comédia, drama, fantoche, ópera, infantil, musical, revista, tragédia e tragicomédia.

editoria_adaptaçõesdosclássicosliterários_04

 

Texto: Francielle Fanaya Réquia – fanayafran@hotmail.com

Ilustrações Auxíliares e Tabelas: Francielle Fanaya Réquia – fanayafran@hotmail.com

Leia mais

Web-documentário nos bastidores do espetáculo

Publicado por em 01/12/2014 em Capa, Produtos editoriais

Com o avanço tecnológico é possibilitado a todas as linguagens e formas de produção audiovisuais uma grande gama de modificações e adaptações. Assim, com o avanço da internet e, principalmente, pela facilidade que o YouTube permite, podemos perceber o surgimento de vários outros segmentos de produção audiovisual, transpondo as perspectivas das produções profissionais dos meios tradicionais e impondo a estes meios uma necessidade grande de renovação. Com isso, podemos acompanhar uma grande mescla de conteúdo audiovisual, no qual é possível perceber o surgimento e sucesso de vídeos caseiros e profissionais, produções seriadas para web, vlogs sobre uma série infinita de temas, entre outros. Outra vertente que vem surgindo nos últimos anos é a produção de documentários voltados para a web, com um foco muito mais digital e produção diferente dos documentários elaborados para os meios tradicionais. Fernando Barbosa, professor do departamento de Ciências da Comunicação Social da UFSM, fala um pouco sobre o web documentário o seguinte:

Na minha opinião esse é um cenário em constante modificação e muita coisa ainda vai mudar, principalmente com a chegada do Netflix e outras empresas que trabalham com conteúdos sob demanda. Um web documentário tem características muito semelhantes a um documentário “tradicional”, só leva em consideração algumas características e dinâmicas próprias da internet, como duração, linguagem mais dinâmica, condução da narrativa, etc.”

Durante o ano de 2014, Fernando orientou um trabalho experimental de conclusão de graduação no qual a temática principal se propunha a pesquisar acerca do tema e elaborar um produto audiovisual com linguagem de web-documentário.

“O trabalho discute essas variáveis de produção, assim como propõe uma produção interdisciplinar, misturando a linguagem teatral e audiovisual.”

O trabalho, denominado “Eu, Christiane F. – Web-documentário”, é uma produção conjunta com o espetáculo teatral “Eu, Christiane F.” montado pela acadêmica do curso de Artes Cênicas da UFSM Manuela Santiago. Entre seus objetivos está a divulgação do espetáculo que estreia em dezembro. Os acadêmicos criaram um perfil no Facebook, uma espécie de personagem que convida as pessoas a fazerem parte da sua rede de amizades e vai divulgando, quase que diariamente, conteúdo a respeito da peça.

Webdocumentário_Christiane F_Facebook_profile

Clique para acessar a página no Facebook.

  “A partir do trabalho, discutimos fotografia, produção colaborativa, convergência das mídias e como potencializar este trabalho a partir das redes sociais e estratégias de divulgação. A linguagem ficou bem dinâmica e mistura olhares diversos, da atriz e personagem.”, diz Fernando.

No perfil criado para a personagem, é possível entender melhor essa dinâmica citada por Fernando, as publicações trazem fotos do universo da personagem com trechos do texto do espetáculo, assim como os vídeos que vão sendo publicados no YouTube todas as segundas-feiras e que são replicados pelo perfil. A personagem também interage com a sua rede de amizades, curtindo e compartilhando as publicações.

 

Webdocumentário_Christiane F_1

Ensaio fotográfico. Fonte: Perfil.

Webdocumentário_Christiane F_2

Ensaio fotográfico. Fonte: Perfil.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vídeos-teaser:

 

O espetáculo, Eu, Christiane F. aborda a história do livro de mesmo nome, bestseller dos anos 1980 e que, mais tarde também foi adaptado para o cinema. Manuela afirma que o que mais a incentivou a montar Christiane F. não foi sua relação com as drogas e a prostituição, mas sim, quem ela era por trás do rótulo de “drogada e prostituída”.

 “Quando falo para as pessoas que vou montar Christiane F., a maioria espera um espetáculo onde mostra muita “drogadição e prostituição”. Mas na verdade, tirei esse tema do foco principal da peça. Meu objetivo é mostrar o lado humano da personagem, e isso, foi e ainda é meu maior desafio. Como tirar de foco principal uma história em que há mais de 20 anos é um “marco da vida junkie”? É muito difícil desvincular e também muito arriscado”, avalia Manuela.

O espetáculo estreia no dia 09 de dezembro, no Teatro Caixa Preta (anexo do Prédio 40 – UFSM).

 

Texto: Hiorran Soares, Tania Avila

Leia mais

Novos autores no mercado

Publicado por em 01/12/2014 em Capa, Mercado

O quão difícil pode ser ter uma obra publicada em uma editora, considerando a farta disponibilidade de novos títulos? Segundo editores e os próprios autores, o universo editorial está se expandindo, dando lugar a autores iniciantes com maior popularidade na web ou em outros canais de divulgação, o que dificulta a entrada dos desconhecidos.

Visão dos editores 

Os editores acreditam que de início, os pequenos autores devem buscar pequenas editoras. O mercado é muito amplo e eles não teriam tanta chance quanto os grandes por não serem tão conhecidos no mercado, a não ser que seja um Best- seller.

Para a editora de literatura brasileira da Cosac-Naify Marta Garcia, as palavras chave são: qualidade e diversidade. Encarregada de selecionar as publicações em dezenas de originais que chegam à sua mesa.

Segundo o editor da caxiense Belas-Artes Gustavo Guertler, em uma entrevista para o site Pioneiro Clic RBS, o que não está na internet e consequentemente não tem um engajamento com os seus leitores, tem chance zero de publicação.

“Houve muitas discussões sobre a internet ser o fim do livro, mas para mim é o contrário. A internet é onde o livro começa.”

Visão dos autores

Em entrevista para a Revista Lappe, Fernanda Nia, autora da série de quadrinhos Como eu realmente, afirma que o mercado dos quadrinhos é extremamente difícil para aceitar os novos autores, principalmente nas grandes editoras.

“A maioria dos autores tenta primeiro lançar seus trabalhos de forma independente. O caso do Como eu realmente foi uma exceção, pois, por já ter um público grande na internet, foi uma agente literária com contato com editora que veio até mim procurar a publicação, mas não o contrário.”

novos_autores_Fernanda_Nia1 

 

Também ilustradora e publicitária, Nia declara que no começo de sua série não havia a intenção de fazer sucesso, considerava somente como meio de auto expressão pública. Com o tempo, foi se profissionalizando conforme recebia críticas positivas. O site, criado em 2011, contém tirinhas semanais que retratam as aventuras da personagem Niazinha e sua fiel gata Sr. Garrinhas. Os quadrinhos conquistaram sua primeira versão impressa no ano de 2014

 

mercado_novosautoresnomercado_03

Texto: Jade Casagrande -  jadecasagradende@bol.com.br

Texto: Émerson Sartori –  emersonoliveira01@hotmail.com

Fotos: Fernanda Nia – comoeurealmente@gmail.com

Leia mais

Sites e Canais de Youtube no Mundo dos Jogos e a Cultura Participativa

Publicado por em 01/12/2014 em Produtos editoriais

O mundo dos jogos, apesar de relativamente novo, já passou por muitas transformações. Desde Odyssey e Atari à Xbox One e Playstation 4, o mercado editorial acompanhou os jogos marcantes e suas sequências falhas, em revistas, programas de TV, e, mais recentemente, sites e canais de youtube organizados pelos próprios jogadores. Suas postagens são marcadas pelo tom jovial e a nostalgia de quem cresceu mudando com o joystick.

 

 

Ainda que os principais sites dominem na cena estrangeira (como GameSpot, IGN e Machinima), o Brasil tem uma das maiores comunidades gamers do mundo, com inúmeros fóruns, sites e canais destinados ao assunto. Segundo dados coletados em pesquisa online pelo site Survio para esta matéria, os sites e canais mais acessados pelos jogadores brasileiros são os seguintes:

Jovem Nerd http://jovemnerd.com.br/

Jovem Nerd http://jovemnerd.com.br/

Brasil Gamer http://www.brasilgamer.com.br/

Brasil Gamer http://www.brasilgamer.com.br/

Game Vicio http://www.gamevicio.com/

Game Vicio http://www.gamevicio.com/

Game World, da rede de entretenimento R7 http://gameworld.com.br/

Game World, da rede de entretenimento R7 http://gameworld.com.br/

Dos maiores canais de jogos do Youtube, destacam-se os canais destinados a modificações de Minecraft, jogo popular entre crianças e pré-adolescentes, análises de lançamentos e montagens com memes do momento. Selecionamos os seguintes:

Zangado Games, um canal nacional dedicado a análises de lançamentos. https://www.youtube.com/user/Zangado

Zangado Games, um canal nacional dedicado a análises de lançamentos. https://www.youtube.com/user/Zangado

TheDiamondMinecart, o maior canal destinado a vídeos de Minecraft atualmente. https://www.youtube.com/user/TheDiamondMinecart

TheDiamondMinecart, o maior canal destinado a vídeos de Minecraft atualmente. https://www.youtube.com/user/TheDiamondMinecart

PewDiePie, o maior canal do Youtube, pertence a um gamer sueco. https://www.youtube.com/user/PewDiePie

PewDiePie, o maior canal do Youtube, pertence a um gamer sueco. https://www.youtube.com/user/PewDiePie

Na maioria desses canais é possível assistir gameplay, que são vídeos mostrando o jogo sendo jogado por alguém.

E também ver os trailers de lançamentos e outras novidades sobre jogos.

E além desses sites que trazem notícias e novidades sobre games existem os sites de vendas de games, um dos maiores e mais famoso é a Steam, que é conhecido mundialmente pelo fornecimento de games a preços acessíveis e algumas vezes gratuitamente.

Site de compras de games, Steam http://store.steampowered.com/?l=portuguese

Site de compras de games, Steam http://store.steampowered.com/?l=portuguese

Texto: Amanda Cruz – amanda.silvacruz56@gmail.com

Mariana Rezer – mrs.rezer@hotmail.com

Leia mais

Deixe o livro voar

Publicado por em 13/06/2014 em Capa, Cultura participativa

Sempre tem aquele livro que a gente adorou ler, mas agora só está lá, juntando pó. Esse livro engaiolado na estante pode dar asas à imaginação de outra pessoa. Para incentivar a circulação da leitura, a Editora UFSM promove a Campanha Livros Livres. Para participar, é só ir até algum dos pontos onde está o estande da Editora e trocar seu livro por um dos outros disponíveis.

Leia mais

Fãs como produtores de conteúdo

Publicado por em 03/11/2013 em Capa, Cultura participativa

Suponha que você tenha acabado de ler a primeira metade da saga Percy Jackson (escrita por Rick Riordan e publicada no Brasil pela Editora Intrínseca), tenha se apaixonado pela história e esteja ávido por notícias sobre o assunto – como a que pés andam o lançamento dos livros seguintes ou das adaptações cinematográficas da série.

Leia mais